Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

""

Ferramentas Pessoais

This is SunRain Plone Theme

Navigation

Você está aqui: Entrada / Sistema Estatístico Nacional avalia desempenho no 1º Semestre / IOF 2019-2020: Teste piloto com arranque marcado na segunda semana de Julho

IOF 2019-2020: Teste piloto com arranque marcado na segunda semana de Julho

Arranca no próximo dia 8 de Julho e com a duração de 60 dias, o inquérito piloto integrado nos preparativos do Inquérito aos Orçamentos Familiares 2019-2020 (IOF 2019-2020), cujo início está aprazado para 1 de Novembro próximo ano. O anúncio da realização desta que é uma operação destinada a testar a máquina que irá dirigir o processo de recolha de dados durante um espaço de 12 meses – 1 de Novembro de 2019 a 1 de Novembro de 2020, foi feita última quinta-feira, 27 de Junho corrente, durante o encerramento da formação dos inquiridores que terão a tarefa de levar por diante esta importante actividade.

Os inquéritos aos orçamentos familiares têm como objectivo principal, recolher informação respeitante as receitas e despesas dos agregados familiares, bem como em relação a determinadas características sócio-económicas. O objectivo final é obter indicadores sobre as condições de vida dos agregados familiares em Moçambique. Entre outros objectivos a atingir com esta operação, destaca-se a recolha de dados que permitam a construção de bases para a revisão do conjunto de bens, serviços e dos ponderadores do actual índice de preços no consumidor. Está igualmente na linhas dos objectivos, recolher dados que permitam avaliar os indicadores relativos ao combate a pobreza no País

Liderada pelo INE, e integrando ainda representantes de diferentes ministérios e organismos especializados das Nações Unidas, a operação conta com apoio financeiro do Banco Mundial e irá abranger um total de 13.560 Agregados Familiares, sendo 7.152 na zona urbana e 6.408 na zona rural, numa amostra que foi desenhada para ser representativa a nível nacional, provincial e áreas de residência urbano-rural.

Falando no encerramento da acção de formação, o Presidente do INE, Dr Rosário Fernandes, começou por destacar o papel das agências produtoras de estatísticas, que de acordo com a Carta Africana de Estatística, bem como em obediência às demais recomendações internacionais, deve ser o de apresentação de retratos fiéis à realidade. Pois, só desta forma estará facilitada a elaboração de políticas públicas que respondam de facto aos problemas dos cidadãos.

Num outro desenvolvimento, o mais alto dirigente da instituição chamou a atenção dos presentes, e em particular aos inquiridores, para a necessidade de serem recolhidos dados, tanto durante a fase piloto, assim como na etapa do inquérito principal, fiéis à realidade vivida pelas comunidades. “Esperamos, pois, que usando da vossa argúcia, os formandos tenham podido assimilar os conhecimentos que lhes permitirão realizar um trabalho de qualidade. É importante sublinhar que do vosso trabalho, ou seja, da qualidade dos dados que irão recolher, sairão políticas públicas realistas, a partir das quais o governo e outras instituições, irão elaborar planos e programas realistas de desenvolvimento do País.