Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

""

Ferramentas Pessoais

This is SunRain Plone Theme

Navigation

Você está aqui: Entrada / Notícias / Ao MINEDH - INE entrega publicações estatísticas para promover o uso de estatísticos pelos mais jovens

Ao MINEDH - INE entrega publicações estatísticas para promover o uso de estatísticos pelos mais jovens

O INE procedeu hoje, 17 de Maio, a entrega de duas (2) publicações contendo conteúdo estatístico ao Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano. A primeira é uma brochura destinada a induzir os alunos do Ensino Primário a aprender estatística através de texto e números. A segunda, em formato de Banda Desenhada, tem como finalidade, mobilizar os estudantes do Ensino Secundário sobre a importância do uso dos dados estatísticos.

O acto ocorreu numa cerimónia dirigida pela Ministra da Educação e Desenvolvimento Humano (MINEDH), Dra Carmelita Namashulua e pela Presidente do Instituto Nacional de Estatística, Dra Mónica Magaua, tendo contando com a presença do Vice-Ministro do MINEDH, para além de alguns Directores representando diversos sectores das duas instituições. Presente esteve igualmente a Representante do FNUAP, organismo coordenador dos parceiros de cooperação que financiaram o IV Censo populacional de 2017.

Usando da palavra durante o evento, a mais alta dirigente do MINEDH começou por destacar o facto de uma das publicações poder vir a contribuir para induzir os alunos das classes iniciais, ao gosto pelos números. “Pois, para muitas das nossas crianças, os números sãoum bicho de sete cabeças”, referiu aquela responsável.

Num outro desenvolvimento, a Dra Namashulua, disse ser um dos desafios da instituição que dirige, conferir à estatística a importância que ela tem na sociedade em geral e para o MINEDH em particular, pois da sua aplicação depende o sucesso dos esforços pelo desenvolvimento nacional, bem como o processo de gestão do sistema de educação em Moçambique. “É importante referir que as estatísticas são cruciais para produzir projecções sobre a população estudantil e, na sequência, projectar as infraestruturas escolares necessárias”, destacou ainda aquela responsável.

Por seu turno, a Presidente do INE, começou por referir que historicamente os dados produzidos pelo INE tem o conteúdo, a mensagem, a linguagem e a apresentação direccionados à um segmento do público mais adulto. “Contudo é sabido que grande parte da população moçambicana é composta por crianças, adolescentes e jovens. Trata-se de um segmento extremamente importante e que precisa ser induzido a ter boas relações com as estatísticas, em particular as oficiais. Por isso, a comunicação, para este segmento é exigente, na medida em que deve ser mais acessível, menos formal, mais atractiva e mais ilustrativa. Há, pois, necessidade de prestar cada vez mais atenção a este segmento que congrega cidadãos e dirigentes do amanhã”, sublinou a líder do INE, para mais adiante informar que uma das publicações, a Brochura Infantil, está focada na criança do ensino primário, e, por isso, apresenta informação estatística sobre a criança e na linguagem da criança. A segunda - Banda Desenhada, está focada no público adolescente e pré-adolescente, do ensino secundário e pré-universitário.

Em jeito de contextualização, a Dra Magaua, informou que as duas publicações foram concebidos com base nos dados do IV RGPH 2017, sendo que em particular a banda desenhada, apresenta os dados actualizados das projecções da população referentes a 2021. Disse também que nesta viagem pelos números – numa aventura de férias, em que dois alunos do ensino secundário realizam com seus pais, os protagonistas da história vão visualizando o número da população nas Placas Informativas instaladas pelo INE nos limites territoriais entre as províncias ao longo das estradas Nacionais número 1 e 4.

Presente no evento em representação dos parceiros de cooperação que financiaram o Censo populacional de 2017, a Representante do FNUAP, Dra Andrea Wojnar, chamou atenção para o facto de a estatística ser apenas um número, pois ela conta uma história humana, por exemplo, sobre a saúde e o bem-estar das pessoas, problemas e perspectivas e circunstâncias socioeconômicas. “As estatísticas, quando coletadas, analisadas e comunicadas de forma eficaz, podem promover o desenvolvimento sustentável, informar políticas, educar os cidadãos e garantir que ninguém seja deixado para trás, incluindo crianças e jovens”, sublinhou. 

Mais adiante lembrou que num país onde as crianças e jovens são, no total, sessenta (60) em cada cem (100) pessoas segundo o Censo de 2017, a sua inclusão significa, não somente, realçar mais de metade da população, como também facilitar uma base de dados estatística que permite focar nos maiores desafios desta importante camada populacional. A disseminação dos dados de Censo 2017,  com ênfase nas crianças e jovens, é um importante passo para garantir os compromissos de Moçambique quanto a Educação Sexual Abrangente, e pertinente integração no Plano Estratégico 2020-2029 e no respectivo Plano Operacional 2020-2022 do sector da Educação.

“Adicionalmente, e de acordo com as prioridades do sector da juventude, que concorrem para o aproveitamento do Dividendo Demográfico de Moçambique, o investimento em 3 (três) eixos: Educar, Empregar, e Empoderar será crucial para um desenvolvimento equitativo e para se atingirem os objectivos de desenvolvimento sustentável ao abrigo da Agenda 2030”, destacou a Dra Wojnar.

O acto ocorreu numa cerimónia dirigida pela Ministra da Educação e Desenvolvimento Humano (MINEDH), Dra Carmelita Namashulua e pela Presidente do Instituto Nacional de Estatística, Dra Mónica Magaua, tendo contando com a presença do Vice-Ministro do MINEDH, para além de alguns Directores representando diversos sectores das duas instituições. Presente esteve igualmente a Representante do FNUAP, organismo coordenador dos parceiros de cooperação que financiaram o IV Censo populacional de 2017.

Usando da palavra durante o evento, a mais alta dirigente do MINEDH começou por destacar o facto de uma das publicações poder vir a contribuir para induzir os alunos das classes iniciais, ao gosto pelos números. “Pois, para muitas das nossas crianças, os números sãoum bicho de sete cabeças”, referiu aquela responsável.

Num outro desenvolvimento, a Dra Namashulua, disse ser um dos desafios da instituição que dirige, conferir à estatística a importância que ela tem na sociedade em geral e para o MINEDH em particular, pois da sua aplicação depende o sucesso dos esforços pelo desenvolvimento nacional, bem como o processo de gestão do sistema de educação em Moçambique. “É importante referir que as estatísticas são cruciais para produzir projecções sobre a população estudantil e, na sequência, projectar as infraestruturas escolares necessárias”, destacou ainda aquela responsável.

Por seu turno, a Presidente do INE, começou por referir que historicamente os dados produzidos pelo INE tem o conteúdo, a mensagem, a linguagem e a apresentação direccionados à um segmento do público mais adulto. “Contudo é sabido que grande parte da população moçambicana é composta por crianças, adolescentes e jovens. Trata-se de um segmento extremamente importante e que precisa ser induzido a ter boas relações com as estatísticas, em particular as oficiais. Por isso, a comunicação, para este segmento é exigente, na medida em que deve ser mais acessível, menos formal, mais atractiva e mais ilustrativa. Há, pois, necessidade de prestar cada vez mais atenção a este segmento que congrega cidadãos e dirigentes do amanhã”, sublinou a líder do INE, para mais adiante informar que uma das publicações, a Brochura Infantil, está focada na criança do ensino primário, e, por isso, apresenta informação estatística sobre a criança e na linguagem da criança. A segunda - Banda Desenhada, está focada no público adolescente e pré-adolescente, do ensino secundário e pré-universitário.

Em jeito de contextualização, a Dra Magaua, informou que as duas publicações foram concebidos com base nos dados do IV RGPH 2017, sendo que em particular a banda desenhada, apresenta os dados actualizados das projecções da população referentes a 2021. Disse também que nesta viagem pelos números – numa aventura de férias, em que dois alunos do ensino secundário realizam com seus pais, os protagonistas da história vão visualizando o número da população nas Placas Informativas instaladas pelo INE nos limites territoriais entre as províncias ao longo das estradas Nacionais número 1 e 4.

Presente no evento em representação dos parceiros de cooperação que financiaram o Censo populacional de 2017, a Representante do FNUAP, Dra Andrea Wojnar, chamou atenção para o facto de a estatística ser apenas um número, pois ela conta uma história humana, por exemplo, sobre a saúde e o bem-estar das pessoas, problemas e perspectivas e circunstâncias socioeconômicas. “As estatísticas, quando coletadas, analisadas e comunicadas de forma eficaz, podem promover o desenvolvimento sustentável, informar políticas, educar os cidadãos e garantir que ninguém seja deixado para trás, incluindo crianças e jovens”, sublinhou. 

Mais adiante lembrou que num país onde as crianças e jovens são, no total, sessenta (60) em cada cem (100) pessoas segundo o Censo de 2017, a sua inclusão significa, não somente, realçar mais de metade da população, como também facilitar uma base de dados estatística que permite focar nos maiores desafios desta importante camada populacional. A disseminação dos dados de Censo 2017,  com ênfase nas crianças e jovens, é um importante passo para garantir os compromissos de Moçambique quanto a Educação Sexual Abrangente, e pertinente integração no Plano Estratégico 2020-2029 e no respectivo Plano Operacional 2020-2022 do sector da Educação.

“Adicionalmente, e de acordo com as prioridades do sector da juventude, que concorrem para o aproveitamento do Dividendo Demográfico de Moçambique, o investimento em 3 (três) eixos: Educar, Empregar, e Empoderar será crucial para um desenvolvimento equitativo e para se atingirem os objectivos de desenvolvimento sustentável ao abrigo da Agenda 2030”, destacou a Dra Wojnar.